Um evento realizado na última sexta-feira (08), no Clube ABCD marcou o encerramento do curso de Dança do Salão do projeto Universidade Aberta da Melhor Idade (UAMI), da Faculdade São Francisco de Barreiras (FASB). Mais de 30 certificados foram entregues para participantes e instrutores que acompanharam ainda a exibição de um vídeo com a retrospectiva do curso, fizeram apresentação de coreografia e se confraternizaram durante um coffee break.

   Cada vez mais comuns, os exemplos de superação são frequentes na Universidade Aberta da Melhor Idade, o que reforça a importância do projeto para idosos afastados do convívio social. “Minha mãe estava com depressão, então eu a trouxe para o projeto. Chegando aqui, gostei tanto que também quis participar. É um ambiente muito alegre, com professoras maravilhosas, que têm muito carinho por nós”, disse Joanita, filha de Sizaltina Nascimento. Outra participante, Clarice de Santana Ramos, resumiu a experiência vivida no curso. “Antes de entrar para esse projeto eu estava muito deprimida, me sentindo só. Hoje, sinto como se fosse uma criança. Aqui eu encontrei uma família”, resumiu.

   O projeto ajudou ainda, pessoas que, como o senhor Arlindo Nunes da Silva, vieram de outros estados, e tinham o interesse em fazer amizades na cidade. “No início, vim por curiosidade. Não conhecia ninguém. O projeto é muito importante para socialização e a saúde. Aqui trabalhamos com o corpo e a mente. Aconselho a todos que participem das próximas edições”, disse.

   “Estamos colhendo, na noite de hoje, o que plantamos e cultivamos durante todo o projeto. Tudo foi planejado, houve muito trabalho e organização. Só tenho a agradecer à FASB e às pessoas que me apoiam. Passamos momentos inesquecíveis, com muita alegria, amizade, dança e emoção”, declarou a instrutora do curso, Kauany Cris, que teve o apoio de Vânia Santos, sob a coordenação da professora de dança do curso de Educação Física da FASB, Carolina Adam.

   O diretor acadêmico da faculdade, Roberto Marden Lucena, também destacou a importância da Universidade Aberta da Melhor Idade, criada em 2001. “É um projeto longevo, que sempre se manteve pela força do voluntariado. É um dos nossos principais elos com a comunidade, em termos de extensão. A medida que os acadêmicos foram inseridos, a UAMI teve uma guinada e atingiu um nível de excelência”, explicou.