Criado em 2011, na sede da Faculdade São Francisco de Barreiras, o Laboratório de Tecnologia de Alimentos passou por uma grande reforma e foi reinaugurado na noite desta quarta-feira (02), durante aula da disciplina ‘Nutrição e Atividade Física’, ministrada pela professora Lucinéia Cavalheiro Schneider. Na atividade, os estudantes do curso de Educação Física produziram receitas voltadas para o praticante de esportes e receberam dicas de como aproveitar os ingredientes para preparar uma variedade maior de alimentos.

 No início da aula, todos os alunos do 5º semestre higienizaram as mãos o mobiliário e os recipientes. A turma foi dividida em três grupos. O primeiro se encarregou da produção de um bolo nutritivo. A segunda equipe produziu conservas com legumes e o terceiro grupo fez uma bandeja de barras de cereais e uma porção de pasta de amendoim. Com as receitas prontas, a professora reuniu a turma para socializar o conhecimento adquirido em cada um dos processos.

“O laboratório ficou maravilhoso. Atualmente é utilizado pelos cursos de Educação Física e Agronomia. No nosso curso nós vamos trabalhar a composição dos alimentos e a quantidade nutricional que cada porção tem. Na parte prática, eles vão produzir alimentos que sejam importantes para cada fase da atividade física. Se o atleta vai treinar ou participar de uma competição, cada momento exige uma alimentação diferenciada”, disse a professora.

O amplo espaço e a organização da atividade permitiram que os 24 alunos e a professora trabalhassem de forma coordenada, com o aproveitamento pedagógico sendo bastante intenso. “Aulas teóricas são muito importantes, mas não podemos negar a eficácia de uma aula como essa, onde a gente aproveita para colocar tudo em prática. A nutrição é um processo que anda lado a lado com a Educação Física, então esse laboratório contribui muito para a nossa saúde e o nosso conhecimento”, afirmou a acadêmica Isis Andrade.

Quem também falou sobre o aproveitamento das aulas práticas foi o estudante Ismael Borges Cavalcante. Ele disse que “a participação em uma aula prática é uma experiência muito estimulante. Que dá ao aluno um algo a mais, que não seria possível na sala de aula”, ele disse ainda que “colocar em prática os processos de produção de alimentos nutritivos dá mais confiança, pois é o momento em que as dúvidas podem ser sanadas e os erros corrigidos”.

Antes do fim da aula, os participantes degustaram e aprovaram a qualidade dos pratos produzidos. Apenas as conservas não puderam ser avaliadas, pois dependem uma um período mais longo para atingir a maturação.