COMPARAÇÃO ENTRE OS SINAIS VITAIS DE IDOSOS E OS SINAIS VITAIS FISIOLÓGICOS

Diogo Cardoso de Sá, Ana Caroline da Silva de Jesus, Jéssika de Souza Gobbi, Jaciara de Moraes dos Santos

Resumo


RESUMO/ABSTRACT

Não há dúvidas que com o avanço da idade ocorram alterações funcionais e estruturais inevitáveis que embora variem de um indivíduo a outro, são encontrados em todo os idosos e são próprios do processo de envelhecimento normal. É obvio também que doenças podem induzir tais modificações que com frequência, assumem maior intensidade, exteriorizando-se comumente de maneira a tornar possível sua caracterização. O objetivo desse trabalho foi aferir os sinais vitais de idosos em suas atividades instrumentais cotidianas e compara-los em relação aos sinais vitais fisiológicos. Empregou-se como método uma pesquisa quantitativa de corte transversal com uma amostra composta por 361 idosos residentes na cidade de Barreiras-BA. Todo o procedimento seguiu o recomendado pela resolução 466/12 sobre pesquisa envolvendo seres humanos submetendo a análise do comitê de ética e pesquisa desta IES. Os resultados encontrados após a aferição dos sinais vitais dos idosos durante a pesquisa, constatou-se uma variação da pressão arterial em 31.3% dos casos estavam abaixo do normal, e apenas 7.2% estavam acima do normal. A frequência respiratória demonstrou 0.5% abaixo é 46.2% acima do normal, na frequência cardíaca constatou 7.4% abaixo e 13.5% dos pesquisados acima da normalidade. Quanto à temperatura 42.1% estava abaixo e 2.7% estavam acima do normal. Mediante o estudo presente foi perceptível que há uma alteração nos resultados da aferição dos sinais vitais dos idosos durante suas atividades instrumentais cotidianas.

Palavras Chaves: Idoso, sinais vitais, patologia


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.